Ouça agora na Rádio

N Notícia

 @FlavioBolsonaro / fotospublicas.com

FOTO: @FlavioBolsonaro / fotospublicas.com

Consultoria internacional Eurasia crava: Chances de Bolsonaro subiram após ataque

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

A consultoria Eurasia divulgou um relatório em que prevê chance "de 60 a 70%" de Bolsonaro alcançar o 2º turno, dois dias depois do ataque contra o candidato em Juiz de Fora.

De acordo com a consultoria, o evento "reforça as chances" do candidato do PSL. "Como tal, estamos aumentando as chances dele de chegar a um segundo turno de 60% a 70%", analisa.

"O ataque, no entanto, reforçará a posição de Bolsonaro em algumas frentes diferentes. Primeiro, aprofundará um ambiente político já altamente polarizado, caracterizado por níveis profundos de desconfiança pública em relação às principais instituições políticas, incluindo a mídia (…). Este evento irá atuar para mobilizar ainda mais sua base", diz o relatório.

Alckmin é quem mais perde

A Eurasia cita ainda dois outros grandes motivos para aumentar as chances de Bolsonaro. O primeiro deles seria a exposição midiática da figura do candidato, tempo que compensaria os parcos 8 segundos no horário eleitoral. O segundo é a incapacidade de Geraldo Alckmin — que luta por votos importantes no mesmo espectro ideológico do capitão — em desconstruir e criticar o candidato, ao menos enquanto ele estiver internado.

"Como resultado, a probabilidade de Bolsonaro vencer em nossa escala de chances aumenta de 26% para 31%, e as chances de vitória de Alckmin caem para 13%. Isso também altera as chances de nossa categoria de candidatos", avalia a Eurasia.

Haddad pode ter vida difícil no 2º turno

A Eurasia avalia que o candidato Fernando Haddad — atualmente vice na chapa encabeçada por Lula — ainda mantém 60% de chegar ao 2º turno das eleições. A consultora considera que "os níveis de identificação do eleitor com o PT estão em alta, os números de Lula são fortes, então a estrada para ele [Haddad] crescer dentro da base do PT provavelmente não será impactada tão fortemente (…)". Contudo, o ataque a Bolsonaro muda o cenário de um segundo turno entre os dois candidatos.

"Em vez de entrar no segundo turno com uma taxa maior de rejeição, Bolsonaro pode estar em uma posição mais forte para enfrentar o PT em um 2º turno se ele não tivesse sido atacado. (…) Dado o tempo até o segundo turno e o fato de o PT ter se fortalecido nas pesquisas no mês passado, porém, seria prematuro levantar as chances de Bolsonaro nesse jogo", conclui a análise.

 

FONTE: Sputnik Brasil
Link Notícia